CALDOQUANTICO | FAROLCOMUNITARIO | HOLOPRAXIS | CQL | CRESENTES | DNATOS | ARTEMCACOS | BLOGS | FALE CONOSCO | O GRUPO | IMPRENSA | POLÍTICA DE PRIVACIDADE
A SUBSTÂNCIA DO UNIVERSO PASSA POR AQUI
         
Artigo   Twitter YouTube Orkut Facebook   Meteorologia
 
 
 
PR/FC
 
   
     

sexta-feira, 11 março, 2011 00:41

Consciência moral e consciência arcaica

As constelações familiares colocam em equilíbrio a consciência arcaica e a consciência moral em relação aos excluídos.

Temos uma consciência moral que regula o que preciso fazer para pertencer, sendo isso plenamente consciente ou não. Podemos experimentá-la como boa ou má conforme nos sentimos culpados ou inocentes. Ela exige a exclusão.

E temos também uma consciência arcaica, primitiva mesmo, da era do surgimento do homem, onde os grupos necessitavam ser coesos para assegurar a sobrevivência. Ela não tolera exclusões. Essa lei sistêmica atua na alma até hoje. Isso nós vemos nas constelações familiares. Quando alguém foi excluído no sistema, a pressão de uma outra "instância" faz com que ele seja mais tarde representado por uma outra pessoa na família. Portanto, considerando o processo em seu conjunto, a exclusão é impossível. Assim, a consciência arcaica não tolera exclusões.

A moral exige que alguém seja excluído, porém, o excluído permanece no campo, por exigência da consciência arcaica. Por isso ele vem a ser representado no campo. Isso se manifesta na constelação, na medida em que outro membro da família tem os mesmo sentimentos do excluído ou chega mesmo a repetir o destino dele, esse é o enredamento, que aparece quando se faz uma constelação. Aí se manifesta o poder do campo e a impotência da moral.

A consciência arcaica também exige hierarquia. As pessoas fracassam, morrem e adoecem quando infringem essa hierarquia.

Pelos efeitos das constelações podemos ver como a cegueira da consciência moral é a causa dos enredamentos, eles se tornam visíveis e são resolvidos. A volta à consciência arcaica é um reconhecimento. Tornamo-nos conscientes de que algo foi reprimido, excluído. Isso muda algo no campo, por exemplo, na família ou para o indivíduo, sem que com isso se abandone o campo. Assim instala-se a paz e a liberdade.

(baseado no livro Um lugar para os excluídos – Bert Hellinger)

Tânia Dolores de Sousa Teixeira é bióloga, professora, especialista em Educação Ambiental e Psicopedagogia
ARTIGOS

Brasil no Google Maps

Grupos do Google
Participe do grupo Farol Comunitário
E-mail:
Visitar este grupo